23 de abril, Sant Jordi

Mesmo que não seja um dia feriado, o dia de São Jordi celebra-se, sem dúvida, a festa mais popular de todas as que acham-se no calendário da Catalunha.

Mas quem era Sant Jordi?

Sant Jordi, São Jorge, Saint Georges, San Giorgio, não importa como seja chamado é um dos santos mais venerados em toda a Europa.

Embora mais e mais vozes considerem que talvez nunca tenha existido, a tradição nos diz que Georgios, cujo nome em grego significa aquele que trabalha na terra, era um soldado romano e cristão. Na época das perseguições de Diocleciano, as últimas e mais cruéis das várias que aconteceram, Georgios não gostou de renunciar à sua fé e por isso, morreu martirizado. Estamos a falar do século IV AdC. A sua veneração, das terras do Oriente Próximo, espalhou-se rapidamente pela Europa, por causa principalmente das peregrinações à Terra Santa.

Mas foram as Cruzadas, nos séculos IX e X9, que espalharam a fama do soldado-cavaleiro, que se tornou um herói na luta contra o mal. Assim, rapidamente, o seu culto se espalhou pela Grécia, Rússia, Inglaterra, Portugal, França, Castela… e também para a Coroa de Aragão.

Tal foi sua influência, especialmente da expansão mediterrânea da coroa catalã-aragonesa, que no século XV Sant Jordi substituiu na sua categoria de padroeiro a São Martinho de Tours, que tradicionalmente tinha sido o santo mais venerado da Catalunha desde os tempos Carlos Magno.

Oficialmente. Porque da proteção de Sant Jordi na batalha, o rei Jaime I já tinha falado nas suas crónicas, quando explicou a conquista de Maiorca. E também tinha sido referido por textos mais antigos que o tornaram o paradigma do cavaleiro medieval.

O herói e a sua lenda

A lenda mais conhecida de todas as que o rodeiam nos conta sobre a sua luta contra o dragão. Na verdade, estamos à frente de um mito que vem das culturas anteriores ao cristianismo e que já aparece na mitologia egípcia e nas culturas persa e até mesopotâmica.

Na Catalunha, essa lenda coloca Sant Jordi a lutar nas muralhas de Montblanc, uma cidade localizada entre Tarragona e Lleida. Montblanc, dominada por um dragão terrível que soltava fogo da sua boca, vivia aterrorizada. Para tentar acalmar o mau-humor e a fome da fera, os habitantes de Montblanc sacrificavam animais até que não tiveram mais criaturas vivas do que seres humanos. E assim o conselho decidiu sacrificar as donzelas.

Diz a lenda que a má sorte (ou boa sorte, segundo de como você a vê) quis que a primeira das sacrificadas tivesse que ser a filha do senhor de Montblanc. E quando a menina se dirigiu à gruta onde aquele monstro estava escondido, Sant Jordi apareceu com a sua armadura brilhante na cima de um cavalo branco e com uma lança enorme perfurou o pescoço do dragão, que caiu morto a seus pés.

Do sangue que caiu ali, uma roseira de rosas vermelhas nasceu. Sant Jordi apanhou uma delas e deu para a princesa.

E é isso. Não sabemos mais nada. Não sabemos se eles se casaram ou não, se foram felizes ou se divorciaram. Nada mais. Sabemos apenas que, no século XV, em Barcelona, ​​acontecia uma Feira de Rosas no recentemente inaugurado Palácio da Generalitat, e que naquele dia os cavalheiros davam rosas a suas damas.

Apenas rosas?

Mas na Catalunha, Sant Jordi se tornou o Festival da Rosa e também do Livro.

Porque esses são os presentes que se espera no dia de Sant Jordi. Não há surpresas, tudo está estabelecido. Também não deve quebrar a cabeça para escolher com que surpreender o nosso casal.

Uma rosa e um livro

A rosa, vermelha. Ou qualquer cor, porque além das vermelhas, existem rosas brancas, amarelas ou rosa pálidas. E nos últimos anos, também azul, violeta, preto ou até com pétalas de cores diferentes. O importante é que haja uma rosa. Escolher a cor vem depois.

E um livro. A tradição de dar um livro para Sant Jordi foi acrescentada à festa já no início do século XX. Um livro, seja ele qual for. Não importa se é um tratado sobre filosofia, um romance de intrigas ou uma história em quadrinhos. O importante é que seja um livro.

E é que 23 de abril é um dia muito ligado à literatura. Era 23 de abril, o de 1616, quando Miguel de Cervantes morreu. E nesse mesmo dia, mesmo que conforme com o calendário juliano, William Shakespeare também tenha morrido. Desde a década de 1920, um livro foi adicionado ao presente da rosa.

Celebrar Sant Jordi com máscara

Este é um resumo da história de São Jorge. Agora, cabe a você, leitor, fazer a sua própria história de Sant Jordi.

Depois de um ano como o último em que tivemos que celebrar a festa confinados em casa, este ano o vírus dá-nos uma trégua e nos permite festejá-la na rua, embora longe das grandes concentrações dos tempos pre-covid. É como se mais uma vez Sant Jordi tivesse se estabelecido como um herói vitorioso na sua luta contra o mal. Contra o Covid19.

O seu espírito ainda está presente entre nós. E assim, mais uma vez, celebramos na Catalunha o dia dos apaixonados, o dia do amor, e também o dia da amizade, com as ruas das vilas e cidades cheias de bancas de rosas e livros decoradas com a senyera, a bandeira da Catalunha.

Portanto, não deixe de oferecer uma rosa e dedicar um livro. Para o seu casal ou para qualquer pessoa a quem quiser dizer o quão importante ela é você. Ou porque não, para nós mesmos. Porque todos nós merecemos uma rosa e um livro, pelo menos uma vez por ano.

Feliz Sant Jordi 2021

E na sua próxima visita em Barcelona, não esqueça de caminhar connosco pelo Bairro Gótico e encontrar algumas das muitas representações de Sant Jordi que decoram os seus edifícios? Se preferir, passar o dia fora de Barcelona também pode ser uma boa maneira de encontrar a pegada de Sant Jordi no território. Nós o acompanhamos até Montblanc para conhecer o lugar onde tudo aconteceu.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.