O Born centro cultural

Em abril de 1717, as autoridades de Barcelona ordenaram a destruição de 1016 casas no bairro de Born. Uma grande fortaleza tinha sido construída, a Cidadela. E essas casas estavam muito perto de suas muralhas.

No dia seguinte

Em 1714, quando a Guerra da Sucessão acabou, os impostos das atividades das corporações da cidade aumentaram consideravelmente. Foi uma das medidas de punição contra a população civil que enfrentou Felipe V. Esse aumento de impostos fez com que muitos artesãos deixassem Barcelona para se instalar em outras cidades costeiras.

Muitos dos que ficaram em Barcelona, ​​para enfrentar o pagamento de impostos, começaram a alugar os andares superiores dos prédios onde moravam. E para que quem alugava pudesse ir até o apartamento sem ter que passar pelo primeiro andar, foram construídas escadas em espiral estreitas ao lado da porta de entrada. Escadas muito estreitas, pois precisavam encaixar-se entre as vigas do edifício.

Essas e outras foram soluções temporárias, porque logo depois as pessoas que moravam nesta parte do bairro do Born foram forçadas a demolir suas próprias casas. Uma esplanada tinha que ser construída em torno da Cidadela. Uma esplanada que tornou-se parte da história mais sinistra de Barcelona. Por cima das casas demolidas e enterradas sob os escombros, os condenados à forca eram executados.

Assim, as pessoas que moravam nessa área tiveram que sair e se instalar na casa de familiares ou amigos. Muitos se acomodaram diretamente na praia, em uma área que anos depois se tornaria no bairro da Barceloneta. Antes de ir embora, eles recolheram todas as suas pertinências. Apahavam tudo. Suas pertinências mais também qualquer material que pudesse ser reutilizado, como as vigas ou os caixilhos das portas ou janelas.

Pedras que falam da vida quotidiana

O centro cultural do Born abriga um enorme sítio arqueológico. Um espaço de cerca de 8.000 metros quadrados, onde conservam-se os restos de 55 das 1.016 casas demolidas.

São restos que explicam muito bem como foram os três anos que passaram de 1.714, quando as tropas de Felipe V entraram em Barcelona, ​​até 1.717, quando os habitantes do bairro do Born foram expulsos sem qualquer consideração.

Durante as escavações, foram descobertas muitas peças de cerâmica, vidro e metal que nos ajudam a entender a vida cotidiana no início do século XVIII. Em Barcelona, ​​podia-se comprar e vender os novos produtos de consumo de todo o mundo. Chá, café, chocolate ou tabaco faziam parte da cultura da cidade.

Peças de porcelana chinesa Hua ou Ming, usadas para beber chá, foram encontradas em muitas casas. Muitos elementos específicos para beber chocolate também foram descobertos. O chocolate quente era um produto na moda na época. Também não tinha restrições religiosas, por isso era muito consumido, principalmente na Quaresma. Mais de 8.000 fragmentos de cachimbos de caolim fabricados na Holanda, Inglaterra, Grécia, Turquia, Síria e Líbano foram achados. O povo de Barcelona, naquela altura, fumava tanto ou mais do que o de hoje.

Tudo isso, além dos arquivos históricos e notariais da época, ajudam-nos a conhecer como era a vida cotidiana em uma cidade, Barcelona, ​​que na época era tão cosmopolita ou mais do que pode ser hoje.

Para poder conosco o Born, propomos uma caminhada juntos pelo bairro. Podemos falar principalmente dos eventos que ocorreram durante a Guerra da Sucessão, ou, se preferir, dar um passeio mais extenso, para falar sobre como o Ribera ou o Born foram durante séculos o distrito comercial de Barcelona. Sem esquecer as tapas, é claro!

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.