O Park Güell

As obras de urbanização do Park Güell começaram em outubro de 1900. Eusebi Güell, um dos homens mais influentes de Barcelona na época, contratou Antoni Gaudí para projetar uma cidade-jardim como as que ele já tinha visto nas suas viagens ao Reino Unido. Esses projetos eram as utopias do momento.

Assim, a intenção de Gaudí i Güell era criar um mundo em harmonia, em sintonia com a natureza.

O parque de 17 hectares tinha que ficar dividido em 60 lotes, mas, conforme o projeto de Gaudí, havia quase 80 lotes, todos com um jardim de mais de 1.300 m2.

Respeito pela natureza em 1900

Uma das condições exigidas pelo projeto era o respeito à natureza existente. Na Montaña Pelada havia muitas alfarrobeiras e oliveiras. Portanto, se os donos das casas queriam arrancar ou cortar uma árvore, deviam pagar uma multa de 50 pesetas. Naqueles dias, esse valor era o equivalente a cerca de duas semanas do salário de um trabalhador.

As casas não podiam cobrir a vista para o mar das casas vizinhas e, embora cada família pudesse escolher o arquiteto que quiser para construir a sua casa, o senhor Güell tinha que supervisionar os planos de todos, a fim de adaptá-los ao projeto geral.

Do sonho ao fracasso

Infelizmente para o senhor Güell, o projeto do parque não teve êxito: apenas um dos lotes planejados por Gaudí foi vendido. A única família em Barcelona que optou pelo Park Güell foi a família Trias.

O motivo desse fracasso tem sido frequentemente procurada. Mas, na realidade, existem muitas razões pelas quais o projeto não funcionou. A verdade, porém, é que, graças a esse fracasso, hoje todos podemos visitar o Park Güell e dar um passeio por ele. No entanto, se tiver funcinado, provavelmente hoje seria ainda uma área fechada e privada.

De fato, Güell e Gaudí queriam que o Park Güell fosse inacessível ao público. Eles queriam que o parque fosse uma espécie de ilha fechada e separada da cidade. Foi por esse motivo que, embora estivesse longe do centro de Barcelona, ​​eles quiseram mantê-lo inacessível aos bondes elétricos.

Entre os visitantes atuais, talvez a característica mais marcante do Park Güell sejam os símbolos representados. Muitos animais e sinais míticos decoram os espaços. Isso inclui as casas na entrada, que lembram as casas de contos de fadas; a cor vermelha e branca que nos faz pensar na marinha fenícia que deveria nos levar à Utopia, onde só pode-se chegar por mar; as três cruzes do Calvário no topo da colina ou a famosa salamandra, que também é representada no brasão de armas de Nîmes, uma cidade francesa onde Eusebi Güell viveu por um tempo são alguns dos mais conhecidos.

Quer saber mais sobre o Park Güell?

Se quiser saber mais sobre o Parque Güell, sugerimos nossa visita ao modernismo burguês. Para conhecer outras obras de Gaudí, dê uma olhada nas opções que temos entre nossas visitas a Barcelona. E se já visitou Barcelona em outras ocasiões e deseja visitar outros edifícios de Gaudí, como o Palau Güell, o Pedrera, a Casa Batlló, a Casa Vicens ou a Colonia Güell, entre em contato conosco e prepararemos um itinerário personalizado conforme à sua vontade.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.